Windows 2003 EOL (End Of Live) – Parte 1: Primeiros Passos e Usando o Simulador Microsoft

Em 14 de Julho de 2015, menos de um ano da data de hoje, o suporte ao Windows 2003 acaba e muitas empresas ainda não estão tomando os passos necessários.

image

A Microsoft disponibilizou um site onde podemos baixar os datasheets e utilizar um assistente para gerar relatórios: http://www.microsoft.com/en-us/server-cloud/products/windows-server-2003/

Quais os Riscos e Problemas

  • Fim das Atualizações (Updates) – Apenas os sistemas operacionais Windows Server 2008 e superiores receberão atualizações
  • No Compliance – Operadoras de cartão de crédito e sistemas bancários internacionais (SOX, Basiléia, etc) não permitiram transações a partir desta versão
  • Segurança Afetada – Todos os novos métodos de invasão, falhas de protocolo ou problemas de SO não receberão corre��ão, significando maior investimento em ferramentas adicionais ou inviabilização de métodos e aplicações
  • Alto Custo de Manutenção – Os novos servidores e hypervisors não irão mais fornecer drivers para o Windows 2003, impossibilitando refresh de hardware e atualização de versão do hypervisor/VM tools

Como Começar a Partir de Agora

O primeiro passo é realizar um Assessment no ambiente para descobrir todas as aplicações, para isso podemos utilizar o MAP (Microsoft Assessment and Planning) que gera relatórios muito bons para migração. Ele até mesmo gera os dados de compliance de hardware e indicações para virtualização.

Para utilizar o MAP foi criado um MVA no ano passado, o foco era migração de Windows XP, mas o funcionamento da ferramenta e geração de dados é similar: http://www.marcelosincic.com.br/blog/post/MVA-sobre-MAP-%28Microsoft-Assessment-Planning-and-Toolkit%29.aspx

O segundo passo é analisar compatibilidade das aplicações existentes, o que inclui a versão do web server e dos componentes de aplicações que estejam nestes servidores, versões de banco de dados, etc.

É aqui que está o grande risco, muitos dos profissionais de TI que converso e empresas estão focando em migrar AD, File Server e outros papeis do Windows, que a Microsoft preparou métodos fáceis de migração já que são Roles do sistema operacional. O problemas são as aplicações desenvolvidas internamente ou não.

Por exemplo, o SQL Server 2005 executado no Windows 2003 precisará ser migrado para SQL Server 2008 R2, aplicações escritas em .NET 1.x-2.x executando no IIS do Windows 2003 precisarão ser avaliadas muito criteriosamente, SharePoint 2003 e 2007 precisarão ser migrados para SharePoint 2010 ou 2013…

Estes exemplos deixam claro que o trabalho da migração vai muito além de apenas virtualizar!

Para isso existem muitos softwares que fazem o papel de analisador, como por exemplo, o Dell ChangeBase e o AppZero. O primeiro analisa todas as aplicações instaladas (similar ao Microsoft ACT) e testa automaticamente os métodos padrão e nativos de compatibilização. O segundo possui diversos métodos adicionais de compatibilização e faz um tracking de uma aplicação, gerando um pacote MSI, o que é extremamente útil em cenários onde não temos um instalador e não sabemos as dependências de uma aplicação.

O terceiro passo é analisar as opções, onde podemos avaliar um P2V (migração de máquina física para virtual) on-premisse, migração de sites ou banco de dados para o Microsoft Azure, criação de VMs em ambiente cloud com transferência de serviços e dados, etc.

Esta fase é onde precisamos criar planos bem definidos de migração para cada uma das aplicações e funções que hoje estão no Windows 2003. É a fase onde devemos nos concentrar em parada de serviços, seqüencia das operações, processos de migração, etc.

Conclusão

Deixar para depois a migração dos servidores é muito mais sério do que a migração de estações. Até hoje muitas empresas ainda possuem XP e sentem as dificuldades e custos de manter um sistema operacional sem suporte. Comece desde já a se preparar e será muito mais fácil.

Em um próximo artigo irei falar mais sobre o MAP e outras ferramentas para o Assessment.

Alteração no Kerberos do Windows 2012 pode causar Acesso Negado

Em uma reunião com os Microsoft PFEs Gilson Banin e Marcelo Ferratti foi comentado sobre uma alteração no método como o Windows 2012 gera um Ticket de autenticação pelo Kerberos, chamado de “KDC Resource SID Compression”.

Situação Atual

Como já é sabido, um Ticket de autenticação leva o SID do usuário e dos grupos do qual ele faz parte, além do SID History em casos de migração anterior. Em alguns casos, principalmente dominios muito grandes, o Ticket podia estourar o limite padrão de 12 Kb e gerar problemas na autenticação. Vale lembrar que pelo mesmo motivo um usuário não pode fazer parte de mais do que 1024 grupos.

Atuamente o Ticket (PAC) é composto por SIDs completos: Os valores padrão de identificação (S-1-5), o SID do dominio e o RID individual do objeto no ultimo bloco:

  • S-1-5-21-3419695430-3854377854-1234
  • S-1-5-21-3419695430-3854377854-1466
  • S-1-5-21-3419695430-3854377854-1675
  • S-1-5-21-4533280865-6432248977-6523
  • S-1-5-21-4533280865-6432248977-6578

Alteração no Windows 2012

A mudança no KDC consiste em não mais incluir no Ticket dados repetidos, com isso o Ticket gerado por um Domain Controller com Windows 2012 fica com menor tamanho e resolve o problema de ser necessário a alteração do tamanho do Ticket.

Assim, o mesmo exemplo anterior de Ticket ficaria:

  • S-1-5-21-3419695430-3854377854-1234
  • -1466
  • -1675
  • S-1-5-21-4533280865-6432248977-6523
  • -6578

O problema é que servidores anteriores ao Windows 2012 não “entendem” o novo Ticket e só permitirá acesso as ACEs que sejam completas, portanto o usuário conseguiria acessar locais onde a permissão foi concedida nos casos 1 e 4 do exemplo, mas não acessaria caso a permissão seja de um dos outros SIDs.

Conclusão

Em um dominio onde ainda existam servidores anteriores ao Windows 2012, o que inclui o Windows 2008 R2, o acesso ao servidor de arquivos, Exchange e qualquer outro que seja baseado no Kerberos terá problemas de acesso negado.

Remediação

Crie a chave de Registry Dword DisableResourceGroupsFields  em HKLM\Software\Microsoft\Windows\CurrentVersion\Policies\System\Kdc\Parameters para desabilitar este recurso.

 

Mais Informações: http://support.microsoft.com/kb/2774190

Utilizando Robocopy para Sincronizar Dados do Windows 2012 com NAS (Linux)

Esta semana precisei migrar dados de um servidor Linux para Windows e passei por um problema que já conhecia, onde em todas as execuções o Robocopy copia novamente os arquivos não alterados com a situação “Modified” ou “Never”.

Possuo um Netgear ReadyNAS Duo para executar VMs e backup de arquivos e na época da compra montei um script para sincronizar dados entre o notebook e o NAS que utiliza ext3, compativel com FAT32.

O problema é que o FAT32 utiliza timestamp nos arquivos com precisão de 2 milisegundos diferentes do NTFS, como mostra o print abaixo. Note que o arquivo da esquerda é o local (S:) e o da direita do NAS e veja a diferença nas tags “Created” e “Modified”:

Print

Para resolver isso existe uma solução muito simples: acrescente o parametro /FFT no final do comando.

Agora a sincronização ocorrerá com sucesso, ainda irá mostrar a mensagem “Changed” nos arquivos na saida do comando, mas ele não irá mais copiar estes arquivos não alterados.

Fonte: http://technet.microsoft.com/pt-br/library/cc733145%28v=ws.10%29.aspx